Guia Objetivo do se vira no Linux


Olá Pessoal!

Este post que vou deixar hoje será atualizado de tempos em tempos (espero que sim). Vale dizer que esta pequena contribuição começou com um tutorial em um txt num mini curso de Linux que fiz na faculdade há uns 7 anos atrás e hoje, aquele “txtzinho” que tinham no máximo 30 linhas se transformou nisso que deixarei aqui a partir de agora, pois eu só repassava para meus amigos por email, mas por que não expandir esta lista?

fonte: https://mastigado.wordpress.com

São comandos que considero práticos, que ficam guardados no meu pendrive e que utilizo em constantes consultas quando tenho dúvida, pois por vezes esqueço um sintaxe ou coisa parecida.

Descrevo apenas com o “para fazer alguma coisa” + comando. Então vamos lá, bom proveito para todos.

Let’s go Bob!

 

Para compilar os arquivos em c

gcc -Wall -c file.c file1.c file2.c

 

Para gerar o seu programa após compilação utilizando a biblioteca ncurses do Linux

gcc -o programa file.o file1.o file2.o -lcurses

Para gerar o seu programa após compilação com todos warnings possíveis

gcc -c file.c file1.c file2.c -Wall -Wextra

Para gerar o seu programa após compilação com todos warnings possíveis com debbuger

gcc -c file.c file1.c file2.c -Wall -g

e para para executar o programa

ddd programa_compilado

Para compilar os arquivos em c de uma simplificada

gcc -Wall -o programa file.c

Para formatar uma unidade

mkfs.vfat /dev/fd0
(onde vfat é tipo do sistema de arquivos e fd0 é a unidade alvo)

tipos de sistemas de arquivos(ext2, ext3, ext4, reiserfs, reiser4, brtfs, jfs, xfs, squashFS, gfs, vfat, ntfs… )

Para remover o usuário e a pasta home dele

userdel -r nome_do_usuario

Para atualizar a distro (distribuições baseadas em pacotes .deb)

apt-get dist-upgrade

Para mover ou renomear um arquivo

mv <arquivo_origem> <arquivo_destino>

Para remover um programa (distribuições baseadas em pacotes .deb)

apt-get remove <nome do programa>

Para remover um programa sem deixar vestígios (distribuições baseadas em pacotes .deb)

apt-get purge <nome do programa>

Para criar senha de root no Ubuntu (que por sinal vem desabilitada na instalação)

Depois de instalar a distribuição, digite o comando no console:

sudo su

Será pedido a senha do usuário que você está usando, insira a senha
e você terá poder de root no sistema, depois disso faça:

passwd root

Aí é só definir a senha de root e confirma-lá.

Para configurar um discador no Ubuntu

sudo pppoeconf

Para reiniciar os dispositivos de rede 

sudo /etc/init.d/networking restart

Para reiniciar todos dispositivos de rede (no Slackware)

Reiniciar
/etc/rc.d/rc.inet1 restart
Iniciar
/etc/rc.d/rc.inet1 start
Parar
/etc/rc.d/rc.inet1 stop

Para inserir um script de inicialização no Debian 5 (não tem funcionado bem nas novas distros)

(O script e o usuário devem estar no diretório /etc/init.d antes de executar o comando abaixo)

Adicionar
update-rc.d script_a_ser_executado.sh defaults
Remover
update-rc.d -f script_a_ser_executado.sh remove

Para iniciar ou parar uma interface especifica (no Slackware)

ifconfig ethX down
ifconfig ethX up

Para iniciar ou parar uma interface especifica

ifdown ethX
ifup ethX

Para configurar uma interface de rede pelo console

Configurando ip e máscara de sub-rede
ifconfig eth0 172.16.2.47 netmask 255.255.0.0
Configurando o gateway
route add default gw 172.16.0.17

Para configurar um ip fixo pelo console 

Vale lembrar que se existir alguma configuração para a placa de rede em questão, ela deverá ser comentada ou apagada do arquivo.

nano /etc/network/interfaces

auto ethX
iface ethX inet static
address 192.168.1.20
netmask 255.255.255.0
gateway 192.168.1.1

Para distribuir a internet, caso haja 2 placas de rede e seja necessário fazer do Linux um proxy (no Slackware)

exemplo: temos que estipular um IP Fixo para colocarmos em nosso servidor, no caso escolhi o 192.168.0.100 com máscara 255.255.255.0, lembrando que todas as outras máquinas devem ter o gateway como 192.168.0.100, ou seja,
o IP do servidor Linux.

chmod +x /etc/rc.d/rc.ip_forward
/etc/rc.d/rc.ip_forward start
nano /etc/rc.d/rc.firewall (vai abrir o editor, insira as linhas)
iptables -t nat -A POSTROUTING -s 192.168.0.0/24 -p tcp -j MASQUERADE
chmod +x /etc/rc.d/rc.firewall
/etc/rc.d/rc.firewall

Para mostrar as regras do iptables

iptables -L

Para limpar todas as regras do iptables

iptables -F

Para liberar uma faixa de portas em específico

iptables -t filter -A INPUT -p tcp -dport porta_inicial:portal_final -j ACCEPT

Exemplo:

iptables -t filter -A INPUT -p tcp -dport 60000:60999 -j ACCEPT

Para configurar a rede com IP dinâmico (No Slackware)

pppoe-setup ou adsl-setup

Para configurar a rede com IP fixo (No Slackware)

netconfig

Para inserir os nomes de DNS para acesso à internet

nano /etc/resolv.conf

exemplo: search fundao.com.br (esta busca de domínio não é necessária)
nameserver 172.17.0.22
nameserver 172.17.0.23

Para listar todos os processos com seus devidos filhos

pstree

Para listar todos os processos com seus devidos filhos com os seus pid listados

pstree -p

Para abrir o gerenciador de processos

top

Para matar um processo

kill <pid number>

Para descobrir qual o diretório atual em que está

pwd

Para criar diretório com seu nome

mkdir <nome do diretório>

Para criar um ou mais diretórios de uma só vez

mkdir -p <caminho/diretorio1/diretorio2>
exemplo: mkdir -p /var/samba/netlogon
(samba e netlogon ainda não existiam)

Para entrar no editor do console

vim <nome do arquivo>

Para salvar o arquivo no vim

ESC -> : -> w -> q

Para sair do vim sem salvar

ESC -> : -> q -> !

Para ver o conteúdo do arquivo no próprio console

more <nome do arquivo>

Para criar um arquivo qualquer

touch <nome do arquivo>

Para ver o conteúdo do diretório atual

ls

Para exibir o conteúdo do diretório de forma detalhada com as permissões de cada arquivo

ls -l

Para exibir o conteúdo do diretório de forma detalhada com as permissões de cada arquivo e com seu tamanho

ls -lh

Para exibir todos os arquivos e os arquivos ocultos

ls – a

Para ver o tamanho dos diretórios dentro de um determinado diretório

du -kh –max-depth=1

Para ver o tamanho de somente um diretório

du -lhs /home/Documentos/

ou

du -hs /home/Documentos/

ou

du -hsb /home/Documentos/ -> retorna em bytes

du -hsk /home/Documentos/ -> retorna em KB

du -hsm /home/Documentos/ -> retorna em MB

Para ver e listar o tamanho de todos os arquivos dentro do diretório ou subdiretório(s);

du -ha (nome do arquivo)

Para listar todos os arquivos que começam com determinada(s) letra(s) ou que terminam com determinada(s) letra(s)

exemplo: ls j* ou ls jkl* ou ls *a

Para checar o sistema de arquivos do dispositivo caso tenha erros

fsck -c /dev/dispositivo

Para checar sistema de arquivo de reiserfs

reiserfsck –check /dev/hda* (no * deverá ficar o número da partição desejada)

E para confirmar, dar o comando:
reiserfsck –fix-fixable /dev/hda*

Se ainda aparecem erros, digite:
reiserfsck –rebuild-tree /dev/hda*

Se caso for utilizar em ext3
fsck.ext3 /dev/hda*

Depois: (para confirmar ou porque deu erro)
fsck.ext3 -f /dev/hda*

Se caso for utilizar em jfs
(instale antes o pacote jfsutils)
fsck.jfs -f /dev/hda*

Para criar arquivos ocultos

touch .<nome do arquivo>

Para utilizar o editor nano

nano <nome do arquivo>

Para sair de dentro do editor nano

CRTL + X

Para remover um diretório(pasta) ou subdiretórios do sistema que não tenham conteúdo dentro da(s) pasta(s)

rmdir <caminho/diretório> <caminho1/diretório1>

Para remover um diretório(pasta) do sistema que tenham conteúdo de subpasta ou com arquivos

rm -r <caminho/diretório>

Para remover um arquivo

rm <nome do arquivo>

Para ver o manual do linux

man ls e para sair do manual Ctrl + Z

Para criar um atalho (link simbólico)

ln -s [arquivo de origem] [arquivo de destino]
(arquivo de origem = para qual o atalho será feito)
(aquivo de destino = o local do atalho)

Para instalar um arquivo binário (.bin)

./<nome do arquivo>

Para alterar permissões de leitura, gravação e execução para o user(u), grupo(g) ou outros(o)

Permissões de arquivo

| u | g | o
|dono |grupos |outros
| rwx | rw | –

exemplo: r-x-r–r– 1 arthur arthur 0 2007-12-31 10:41 arq_teste

r = leitura; w = gravação; x = execução

chmod u+x <nome do arquivo> ou chmod g+w <nome do arquivo>

Este abaixo dá permissão para todos executarem

chmod +x <nome do arquivo>

Para ver a data do sistema

date

Para ver informações sobre o usuário

finger

Para localizar arquivos

find <diretório em que deseja buscar> -name <nome do arquivo>
find <diretório em que deseja buscar> -name <nome do arquivo> | grep ^e
find <diretório em que deseja buscar> -name <nome do arquivo> | less
find <diretório em que deseja buscar> -name <nome do arquivo> | home

Para localizar conteúdo dentro de arquivos

find /opt/zimbra/jetty-6.1.15/ |xargs grep -s –no-messages -i <contéudo desejado>
ENDEREÇO PARA BUSCA PARÂMETROS CONTEÚDO

Outra opção:

find /home/cpd/ |xargs grep -s -a -i palavra_chave |cut -d : -f 1

Nesta busca ela não repete e diz a quantidade de matches no final:

find /etc | xargs grep -c -s -a -i “/bin/bash” | grep -v “:0$”

Para ver a quantidade de memória RAM utilizad no sistema

É possível visualizar em bytes, megabytes, gigabytes e terabytes.
Basta acrescentar -m(megabytes), -g(gigabytes) e -t(terabytes)
free -m

Para iniciar o serviço do samba

/etc/init.d/samba start

Para parar o serviço do samba

/etc/init.d/samba stop

Para reiniciar o serviço do samba

/etc/init.d/samba restart

Para inserir um usuário no Linux

adduser <nome do usuário>

Para remover um usuário no Linux

userdel <nome do usuário>

Para remover um usuário no Linux e seu diretório home

userdel -r <nome do usuário>

Para adicionar um usuário a grupo no Linux

usermod -G <nome do grupo> <nome do usuário>

Para remover um usuário de um grupo no Linux

gpasswd -d <nome do usuário> <nome do grupo>

Para inserir um usuário no samba

smbpasswd -a <nome do usuário>
Obs: O usuário tem de existir antes no Linux e o serviço do samba tem de estar rodando.

Para remover um usuário no samba

smbpasswd -x <nome do usuário>

Para testar o serviço do samba

testparm

Para ver o status do samba

smbstatus

Para mudar permissões de execução, leitura e escrita

chmod 777 <nome do arquivo>

Para ver a quantidade usuários cadastrados no samba

sudo cat /etc/samba/smbpasswd | tr ‘:’ ‘\t’ | cut -f1 | grep -v \$$

Para ver os usuários e as máquinas cadastradas no samba

sudo cat /etc/samba/smbpasswd | cut -f1 | grep -v \$$

Para ver o ip

ifconfig

Para criar um arquivo com todos os diretórios do linux

updatedb

Para encontrar o nome do arquivo que você deseja após o updatedb

locate <nome do arquivo>

Para visualizar as partições montadas e quanto de espaço ocupam

df -h

Para ver quais partições estão mapeadas no pc

nano /etc/fstab

Para alterar data e hora no GNU/Linux, basta digitar o comando abaixo com seus respectivos valores:

date mmddhhmmyyyy

O significado de cada conjunto de caracteres é:

mm: mês
dd: dia
hh: hora
mm: minuto
yyyy: ano

Depois de digitado o comando com os respectivos valores, digite isso para salvar as alterações:

clock -w

Obs.: Algumas distros nem precisam mais desse comando.

Para identificar o tipo de sistema de arquivos no /dev

file -s /dev/sdb1

Para montar unidade de cd/dvd

mount /dev/cdrom /mnt/cdrom ou mount -t iso9660 /dev/cdrom /mnt/cdrom

Para desmontar unidade de cd/dvd

umount /dev/cdrom /mnt/cdrom

Para montar uma partição em um local em específico

mount -t <tipo de sistema de arquivos> /dev/xxx /xxx

tipos de sistemas de arquivos(ext2, ext3, ext4, reiserFS, reiser4, brtfs, jfs, xfs, squashFS, gfs, vfat, ntfs… )

Para montar uma partição do tipo cifs

sudo mount -t cifs //192.168.1.144/www /home/fulano/www –verbose -o user=usuario -rw

Para montar partição no fstab

<caminho no /dev> <caminho de onde a unidade está montada> <sistema de arquivos> <permissões>

Caso for uma partição ext3 a ser montada, pode ser usado o exemplo abaixo
/dev/sdb1 /srv ext3 defaults 1 2

Caso for uma partição ntfs:
/dev/hda1 /mnt/hda1 ntfs defaults,umask=000 0 0

Caso for uma partição fat a ser montada:
/dev/sde1 /media/CORSAIR vfat umask=000 1 0

Caso for uma partição reiserfs:
/dev/sdc /media/BACKUP reiserfs defaults 0 2

Caso for uma partição samba a ser montada(neste caso, antes deverá ser instalado o protocolo smbfs):
//192.168.1.144/www /srv/www smbfs auto,defaults,file_mode=0777,dir_mode=0777,rw,username=usuario,password=senha 2 1

Para reconfigurar os locales (para caso o sistema estar sem suporte a iso8859-1)

dkpg-reconfigure locales

Marque:

en_US ISO-8859-1
en_US.UTF-8 UTF-8
pt_BR ISO-8859-1
pt_BR.UTF-8 UTF-8

Para descobrir se determinado pacote já está instalado no sistema

which <nome do pacote>

Exemplo: which gcc

Resultado na tela: /usr/bin/gcc

Se desejar uma pesquisa mais ampla, pode ser usado o comando

whereis <nome do pacote>

Para matar um processo em específico

ps -A | grep <nome do processo>

depois:

sudo kill -9 <ID_do_processo>

Para configurar o mysql(no Slackware, mas deve servir para outras distros)

Depois da instalação do MySQL, você ainda tem que configurar pequenas coisas para que o mesmo funcione. Para isso, siga os passos abaixo (usar o usuário root).

Com o comando abaixo você instalara o banco de dados do MySQL:

# mysql_install_db

Com o banco de dados instalado, vamos agora tentar iniciar o MySQL.
Isso gerará um erro, pelo que percebi esse erro tem que ser gerado, então, não se preocupe.

# mysqld_safe &
[1] 20429
Starting mysqld daemon with databases from /var/lib/mysql
STOPPING server from pid file /var/lib/mysql/BooM.pid
060626 01:46:46 mysqld ended

Pressione somente a tecla Enter e continue seguindo os passos.

Bom, na verdade não sei explicar o que esse comando faz, mas é necessário, pois sem ele o meu MySQL não funcionou.

# chown -R mysql.mysql /var/lib/mysql

Agora tentaremos rodar o MySQL novamente:

# mysqld_safe &
[1] 21262
Starting mysqld daemon with databases from /var/lib/mysql

Isso significa que o mysql já esta rodando, então agora devemos criar uma senha para utilizarmos no MySQL.

# mysqladmin -u root -p password ‘senha_do_mysql’

Bom, quando apertarmos Enter o MySQL irá pedir uma senha, somente aperte Enter novamente.

Importante: caso o MySQL não deixe você inserir uma senha, preste atenção e olhe se ele está realmente rodando. O MySQL só deixará inserir ou trocarmos a senha se ele estiver rodando.

Bom, vamos logar no MySQL.

# mysql -p
Enter password:
Welcome to the MySQL monitor. Commands end with ; or \g.
Your MySQL connection id is 2 to server version: 4.1.14

Type ‘help;’ or ‘\h’ for help. Type ‘\c’ to clear the buffer.
mysql>

Bom, se a mensagem acima aparecer, seu MySQL está pronto para rodar.

Só lembrando, caso tenha que dar um restart no MySQL, pode usar esse comando:

# /etc/rc.d/rc.mysqld restart (citei o restart, mas pode ser o start seguido do stop)

Para acessar o mysql

mysql -u root -p

Para reler um arquivo sem ter de reiniciar serviços ou SO

Exemplo com o /etc/profile .

dentro do chroot faça:
source /etc/profile

Para listar os dispositivos que estão conectados no pc

lsmod

Para listar os dipositivos pci da máquina

lspci

Para listar os dipositivos usb da máquina

lsusb

Para listar os dipositivos de forma detalhada basta colocar a sintaxe -v

lspci -v

ou

lsusb -v

Para ver quais são as variáveis de ambiente no sistema operacional

env

Para se comunicar com outra máquina remota via ssh

ssh nome_do_usuário@ip_da_máquina

exemplo: ssh root@172.16.0.36

Para se comunicar com outra máquina remota via ssh por outra porta que não seja a 22

ssh nome_do_usuário@ip_da_máquina -p número_da_porta

exemplo: ssh root@172.16.0.36 -p 29667

Para utilizar o comando rsync em um script de backup (rsync sincroniza diretórios)

rsync -av root@10.1.1.1:/media/PASTA_A_SER_COPIADA/* /media/BACKUP_DA_PASTA

Para utilizar o comando rsync em um script de backup via ssh por outra porta que não seja a 22

rsync -av -e ‘ssh -p 29667’ root@10.1.1.1:/media/PASTA/* /media/BACKUP_DA_PASTA

ou

rsync /media/BACKUP_DA_PASTA -av -e ‘ssh -p 29667’ root@10.1.1.1:/media/PASTA/*

Para mudar o dono das pastas

chown -R /pasta usuário

Para compactar arquivos em:

.zip com compressão padrão
zip -r NovoArquivo.zip Arquivo1 Arquivo2 Diretorio1 Diretorio2

.zip com compressão máxima
zip -r -9 NovoArquivo.zip Arquivo1 Arquivo2 Diretorio1 Diretorio2

.tar
Ideal para compactar com Gzip ou Bzip2 posteriormente.
tar cvf NovoArquivo.tar Arquivo1 Arquivo2 Diretorio1 Diretorio2

.gz com compressão padrão
Gzip não suporta compactação de mais um arquivo ou de diretórios, por isso usamos antes o TAR.

gzip Arquivo.tar
Obs: O ‘Arquivo.tar’ deixará de existir e dará lugar ao ‘Arquivo.tar.gz’
.gz com compressão máxima

gzip -9 Arquivo.tar
Obs: O ‘Arquivo.tar’ deixará de existir e dará lugar ao ‘Arquivo.tar.gz’
.tar.gz

Compactando diretamente, mas o nível de compressão do Gzip será padrão.
tar czvf NovoArquivo.tar.gz Arquivo1 Arquivo2 Diretorio1 Diretorio2

.bz2 com compressão padrão
Bzip2 não suporta compactação de mais um arquivo ou de diretórios, por isso usamos antes o TAR.
bzip2 Arquivo.tar
Obs: O ‘Arquivo.tar’ deixará de existir e dará lugar ao ‘Arquivo.tar.bz2’

.bz2 com compressão máxima
bzip2 -9 Arquivo.tar
Obs: O ‘Arquivo.tar’ deixará de existir e dará lugar ao ‘Arquivo.tar.bz2’

.tar.bz2
Compactando diretamente, mas o nível de compressão do Bzip2 será padrão.
tar cjvf NovoArquivo.tar.bz2 Arquivo1 Arquivo2 Diretorio1 Diretorio2

Para descompactar estes formatos de arquivos os comandos são simples:

zip: gunzip nomedoarquivo.zip

rar: unrar x nomedoarquivo.rar

tar: tar -xvf nomedoarquivo.tar

tar.gz: tar -vzxf nomedoarquivo.tar.gz

bz2: bunzip nomedoarquivo.bz2

tar.bz2: tar -jxvf nomedoarquivo.tar.bz2

Para editar a lista de repositórios do Debian

nano /etc/apt/sources.list

Para ver a versão do kernel

uname -r

Para ver o tamanho do arquivo ou diretório em bytes (KB/MB)

Se quiser saber o tamanho de arquivos ou diretórios de maneira sistemática e clara, você pode utilizar o comando “du” com as seguintes opções:

du -ha (nome do arquivo) => para ver e listar o tamanho de todos os arquivos dentro do diretório ou subdiretório(s);

du -hs (nome do arquivo) => para ver o tamanho de um arquivo ou diretório sem listar.

Você ainda pode usar assim:

du -hsb (nome do arquivo) => retorna o tamanho sempre em bytes;
du -hsk (nome do arquivo) => retorna o tamanho sempre em KB;
du -hsm (nome do arquivo) => retorna o tamanho sempre em MB;

Se quiser outras opções consulte o manual do comando “du” com os comandos:

du –help ou man du

Para alterar/mudar o nome da máquina

hostname novo_nome_do_computador

Para ver quais são as conexões ativas no sistema

netstat -a

ou

netstat -an s.e.u.ip

ou

netstat -nt

Para ver quais são os serviços que estão rodando em sua máquina e a porta que está utilizando (É necessário instalar o nmap antes)

nmap -sT 127.0.0.1

Para localizar um processo pelo número porta e protocolo (É necessário instalar o fuser antes)

fuser porta/protocolo

Exemplo:

fuser 9000/tcp

Para matar um processo pelo número da porta e protocolo (É necessário instalar o fuser antes)

fuser -k porta/protocolo

Exemplo:

fuser -k 9000/tcp

Para saber qual o tipo de arquivo ou diretório indicado pelo usuário conforme os padrões do sistema operacional

file <nome_do_arquivo>

Exemplo:

file package.xml

Para listar quais processos estão rodando referente ao seu usuário

ps

Para saber quais são os status de cada processo, basta consultar a lista abaixo.

0 Não existente
S Descansando, fora de funcionamento (Sleeping)
R Rodando (Running)
I Intermediário (Intermediate)
Z Terminado (Zumbi)
T Parado (Stopped)
W Esperando (Waiting)

Agora um exemplo para este comando:

ps aux

USER PID %CPU %MEM VSZ RSS TTY STAT START TIME COMMAND
root 1 0.0 0.0 1120 52 ? S Dec25 0:05 init
root 2 0.0 0.0 0 0 ? SW Dec25 0:00
[kflushd]
root 3 0.0 0.0 0 0 ? SW Dec25 0:00
[kupdate]
root 4 0.0 0.0 0 0 ? SW Dec25 0:00 [kpiod]
root 1004 0.0 0.0 10820 48 ? SN Dec25 0:00 [mysqld]
root 1007 0.0 0.0 2852 0 ? SW Dec25 0:00 [smbd]
hugo 1074 0.0 0.0 1736 0 tty1 SW Dec25 0:00 [bash]
hugo 1263 0.0 0.0 1632 0 tty1 SW Dec25 0:00 [startx]
hugo 1271 0.0 0.0 2304 0 tty1 SW Dec25 0:00 [xinit]
hugo 1275 0.0 2.4 4312 1360 tty1 S Dec25 0:16 wmaker
hugo 2461 0.0 0.0 1636 0 tty1 SW 07:09 0:00
[netscape]
hugo 9618 0.9 4.9 5024 2688 pts/1 S 09:56 0:06 vim
d03.html
hugo 12819 6.7 6.9 5580 3796 ? S 10:03 0:13 mpg123
King Diamond – Help.mp3

Este parâmetro (aux) fez o ps listar todas as informações sobre todos os processos executados

Para matar um processo com kill

[-SINAL] <PID>.

O comando kill é muito conhecido ele serve para matar um processo que está rodando. Matar? Terminar este processo, finalizar naturalmente!

Para matar um processo, temos de saber o PID dele (veja o comando ps), e então executar o kill neste PID. Vamos “killar” o Netscape:

Primeiro exibimos o processo em questão com o comando abaixo.

ps aux | grep netscape

Depois vemos o resultado na tela.

hugo 2461 0.0 0.0 1636 0 tty1 SW 07:09 0:00
[netscape]

E então disparamos o sinal 9 nele.

kill -9 2461

Para listar os sinais existentes para serem usados com o comando kill

man 7 signal

Para matar os processos pelo nome, basta utilizar o comando

killall [-SINAL] <comando>

Ele faz a mesma coisa que o kill, só que a vantagem aqui é que você não precisa saber o PID do processo, e sim o nome. A desvantagem é que se tiver dois processos com o mesmo nome, os dois são finalizados. Seguindo o exemplo do comando kill:

ps aux | grep netscape

hugo 2461 0.0 0.0 1636 0 tty1 SW 07:09 0:00
[netscape]

killall -9 netscape

Para listar os usuário logados, basta usar o comando

w

Com este comando, é possível você ver quais usuários estão atualmente logados no seu sistema, além de informações como “O que ele está fazendo”, “aonde está fazendo”, “desde quando está logado”, etc. Vejamos um exemplo aqui
da minha máquina:

Aplicando o comando w:

[hugo@songoku hugo]$ w

10:37am up 13:45, 4 users, load average: 0.85, 0.70, 0.71
USER TTY FROM LOGIN@ IDLE JCPU PCPU WHAT
hugo tty1 – Mon 8pm 25.00s 34:16 0.09s -bash
root tty2 – 10:37am 5.00s 0.27s 0.14s top
hugo tty3 – 10:37am 11.00s 0.25s 0.13s vi
cmpci.c
jim tty4 – 10:37am 22.00s 0.23s 0.12s BitchX

Para ver o tipo da memória utilizada

dmidecode –type 17 | more

Para colocar o Samba permitindo acesso sem senha (adicionar onde está #parametro para convidados)

Primeiro, deve-se abrir o arquivo smb.conf, apagar os dados contidos e substituir pelo que esta abaixo
(com as devidas modificações)

[global]
workgroup = NovoGrupo
netbios name = servidor
server string = %h Pasta
name resolve order = lmhosts, host, wins, bcast
encrypt passwords = true
wins support = yes
preferred master = yes
panic action = /usr/share/samba/panic-action %d
invalid users = root
preserve case = yes
os level = 100
oplocks = no
unix extensions = no
dos charset = 850
client code page = 850
unix charset = iso8859-1
display charset = iso8859-1
unix charset = iso8859-1
character set = iso8859-1

#Parametros para Windows7
level0 oplocks = no
ntlm auth = yes
lanman auth = yes
client ntlmv0 auth = yes

#parametro para convidados
guest ok = Yes
map to guest = Bad User
usershare allow guests = Yes

[particao]
path = /particao
comment = particao
available = yes
writeable = yes
browseable = no
force create mode = 0777
force directory mode = 0777
create mask = 0777
directory mask = 0777
read only = no

#parametro para convidados
guest ok = yes
hide dot files = No
dos filetime resolution = Yes #arquivos em dos
public = yes

Para tomar posse de outro sistema operacional em uma partição

mkdir /media/hd_convidado

mount /dev/dispositivo_a_ser_montado /media/hd_convidado

chroot /media/hd_convidado

Para criar um arquivo de texto usando o comando cat

cat > texto.txt

E quando for salvá-lo, pressionar

Ctrl + d

Para incluir mais linhas em um arquivo texto usando cat

cat texto1.txt >> texto2.txt

Para listar numeradamente as linhas de texto do arquivo usando o comando cat

cat -n texto.txt

Para listar numeradamente somente as linhas que contêm texto dentro de um arquivo

cat -b texto.txt

Para ver informações sobre o hardware

Salvando em um html

lshw -html >> config.htm

Salvando em um arquivo texto comum

lshw >> result

fonte: https://mastigado.wordpress.com

Anúncios

Sobre Mastigado
Sou um daqueles que precisa mudar o mundo.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: