Rdesktop no Linux

Olá pessoal!

fonte: https://mastigado.wordpress.com

Hoje vou deixar uma dica simples para quem precisa acessar alguma estação Windows usando o Linux.

Como no Windows, utilizamos uma espécie de Área de Trabalho Remota no Linux para acessar Windows. Mas para isso temos antes que habilitar o acesso remoto no Windows.

Pois bem, no Windows serão 2 passos.

1º passo – Na estação Windows que você deseja conectar, siga em Painel de Controle > Sistema > Configurações Avançadas do Sistema, acesse a aba chamada Remoto, clique  em Permitir conexões de computadores que estejam executando versão de Área de Trabalho Remota (menos seguro) e em seguida clique em Selecionar Usuários para selecionar o usuário que poderá fazer esta conexão.

2º passo – Siga em Painel de Controle > Ferramentas Administrativas > Firewall do Windows com Segurança Avançada, clique em Regras de Entrada, depois em Nova Regra. Na janela que se abrirá, em Tipo de Regra marque a opção Predefinida e escolha Área de Trabalho Remota, em seguida clique em Avançar e em Ação, marque a opção Permitir Conexão e depois clique em Concluir.

É bom lembrar que não marcamos nenhum tipo de conexão segura porque o Windows entende que clientes como Rdesktop não são seguros. Você consegue entender isso?

Ok!

Então vamos lá. Agora no Linux, se você estiver no Debian, dê o comando no terminal:

apt-get install rdesktop

E para acessar a sua estação Windows digite:

rdesktop -z -u login_do_usuario -p senha_do_infeliz_do_usuario -g 1024×768 -a 24 -f 192.168.1.114

Onde:

  • -z Quer dizer está ativada a compreensão rdp
  • -u Significa que é o login do usuário
  • -p A senha do usuário
  • -g É a resolução do usuário (1024×768, 800×600, etc)
  • -a : indica a quantidade de bits de cores (normalmente é limitada em 24bits no WTS)
  • -f Significa que o cliente abrirá em modo full screen
  • E por final o ip da máquina que você quer acessar.

Mas sinceramente, eu costumo utilizar apenas deste jeito:

rdesktop -u login_do_usuario -p senha_do_infeliz_do_usuario -g 1024×768 -f 192.168.1.114

E para utilizar como pasta mapeada conforme o blog Tecnopad (os créditos estão no final do post):

Conexão remota com redirecionamento de uma pasta do linux para ser visualizada no Windows após a conexão.

rdesktop -5 -a 16 -f -r disk:PastaVirtual=/home/tecnopad/disco 192.168.1.114

fonte: https://mastigado.wordpress.com

fonte: http://tecnopad.blogspot.com.br/2009/11/conexao-remota-com-rdesktop.html

Anúncios

03 – Criando uma classe em Java

Olá para todos!

fonte: https://mastigado.wordpress.com

Depois que já aprendemos a compilar em Java e a configurar o PATH da máquina, por que não aprendermos o que é uma classe em programação orientada a objetos. Confesso que eu não queria estar escrevendo isso aqui agora, mas acho que é necessário para que eu possa prosseguir com outros assuntos e um deles é esse :)!

Bem…vamos lá!

Ok!

Vou tentar ser objetivo e quem ainda tiver dúvidas, pergunte.

Uma classe é como se fosse algo que guarda informação sobre outras coisas e que também pode fazer coisas. Complicado? Bem, estas coisas que ela guarda são chamados de atributos, que para nós seria mais ou menos o que forma algo. Complicado ainda? Bem, imagine uma Pessoa e essa Pessoa não deixa de ser algo (ou alguém), correto? Pois bem, essa Pessoa tem coisas tipo olhos, mãos, braços, pernas, coração, etc e todas essas coisas formam essa Pessoa e são estas “coisas” a que chamamos de atributos. Beleza então?

Pois bem e aquele lance de poder fazer coisas é como as coisas que a pessoa faz, fechar os olhos, bater palmas com as mãos, nadar com os braços, andar com pernas, fazer o coração ficar triste (:(), dormir, etc. Portanto, fazer estas coisas é chamado de método. Cada ação que a Pessoa faz (ou que a classe faz) ela tem um método para fazer isso.

Então pronto, tá tudo entendido.

Na prática é o que está abaixo (não escreve este código, apenas compare com o que falei).


public class Pessoa{

   public Olho olho;
   public Mao mao;
   public Braco braco;
   public Perna perna;
   public Coracao coracao;

   public void abrirOlhos(){
     this.olho.aberto = true;
   }

   public void baterPalmas(){
     this.mao.atividade = "Batendo palmas";
   }

   public void nadar(){
     this.nadar.atividade = "Nadando";
   }

   public void andar(){
     this.perna.atividade = "Andando";
   }

   public void coordenarRitmoDoCoracao(){
     this.coracao.batimentos = 4.7;
   }
}

Entenderam? Não precisa entender o código, apenas assimile com o que foi escrito. Não vai adiantar eu explicar um milhão de coisas como me disseram, pois é basicamente isso aí. E claro, você controla uma pessoa fazendo uma classe dessas aí, mas se você fosse fazer um jogo e tivessem personagens que são pessoas, seria parecido com isso aí, sem tirar e nem por.

E é mais ou menos por aí mesmo. Pô, tá mastigado.

fonte: https://mastigado.wordpress.com

post anterior: https://mastigado.wordpress.com/2014/11/06/02-configurando-o-seu-java-para-programarmos-e-compilarmos-inclusive-o-path-da-sua-maquina/

Android Studio: Background task running indefinitely

Olá pessoal!

fonte: https://mastigado.wordpress.com

 

Esta dica vai para quem está programando utilizando o Android Studio e vez ou outra tem problema com a rotina de background task da IDE que fica “agarrada”, principalmente quando você insere novas librarys.

 

Vá até o menu arquivo e clique em:

Invalidate Caches / Restart option

 

fonte: http://stackoverflow.com/questions/17834821/android-studio-background-task-running-indefinitely

fonte: https://mastigado.wordpress.com

%d blogueiros gostam disto: